set 06

Fãs que estiveram em BH contam como foi curtir o show de John e Michael

0Shares

O último show de John e Michael em sua tour pelo Brasil foi uma semana atrás mas, nada melhor que ouvir as histórias de fãs que presenciaram o último, mas não menos emocionante apresentação das duas das maiores vozes do rock cristão mundial. Em nossa matéria sobre o show de BH você já conheceu a história de Douglas Gomes, deficiente visual que viajou oito horas de sua cidade até BH e além de ter realizado o sonho de conhecer John Schlitt ainda teve a música Inside of You oferecida para ele. Então, bora conhecer estas ótimas histórias?


Charles Lincoln

“Um ponto negativo que achei foi a questão do meet & greet, que demorou meia hora além do horário combinado (era pra ser as 18:30 e acabou sendo as 19 h),  quando abriram os portões, e aí foi meio corrido pra encontrar o John.

Com relação ao show, desde o início o John deixava claro que BH foi a melhor escolha, em conjunto com o Michael, por ser o melhor público que eles apontavam ali pra fechar uma turnê! Então, a cada música o John fazia questão de sorrir pra platéia, de aumentar o tom das músicas (fez isso em praticamente todas as canções) e ele se mostrava super feliz! O público correspondia sempre (até nas músicas da carreira solo)! Ele simplesmente amava tudo aquilo e sempre deixava isso claro! Teve uma interação bem boa com o público! E tivemos momentos bem engraçados até!

Quando John tocou God Gave Rock and Roll to You acappella, foi maravilhoso! Depois fizeram uma homenagem pra ele no final, onde eles cantaram Holy is Your Name (se emocionou com a homenagem)! O público superou as expectativas dele!  Foi uma experiência bacana! Conversei com ele no camarim, e o Douglas tinha conversado com ele também sobre Inside of You. e eu reforcei, falei pra ele não esquecer.”


Hudson Naves

“Olá pessoal, sou Hudson Naves de Varginha, sul de Minas. Sobre o show dos caras em BH. O show foi no Cine Theatro Brasil Vallourec, e começou as 20:00 praticamente em ponto. John entra no palco com todo seu carisma, já conhecido de seus fãs que acompanham sua carreira. Acompanhado pelo excelente músico Fausto Caetano.

O Show foi maravilhoso, John como sempre extremamente carismático e ele super interage com seu público. Todo sorridente, brincalhão. O repertório, sem dúvida muito bem escolhido. Tantos as relíquias do Petra como Creed, I Am On The Rock, No Doubt, Just Reach Out e a lendária Beyond Belief que ainda contou a participação do Tom, uma fã do John que ele mesmo o puxou da plateia para o palco pra cantar com ele a canção (creio que um momento inesquecível para nosso amigo Tom). Outro momento lindo, quando ele canta Inside Of You, uma balada do seu primeiro álbum solo Shake, e a oferece ao nosso amigo Douglas Gomes. Momento esse mais que emocionante. Suas músicas solo também muito bem escolhidas. Wake The Dead, Take Me Home e Inside of You são músicas memoráveis pra quem acompanha o trabalho do cara.

Foi realmente um show bem intimista. De puro contato entre fãs e artista. Nenhuma barreira nos separava de quem a gente tanto queria prestigiar. Eu me sinto honrado por essa oportunidade, já que Petra foi a primeira banda de rock cristão que ouvi na minha vida, isso quando tinha 11 anos de idade. E o amor pela banda permanece o mesmo até hoje.

Michael Sweet, o que dizer desse cara. Fantástico, puro talento e emoção para nós que o aguardavam. Um repertório maravilhoso, cheio de clássicos do Stryper e também belíssimas canções de seus álbuns solos, Eu particularmente gosto muito da carreira solo do Michael. Sem contar o cover da Living On A Prayer do Bon Jovi, simplesmente demais! Também extremamente simpático, saiu com seu violão em meio a plateia, cumprimentando, abraçando e conversando na medida do possível com seus fãs. No geral tudo foi excelente.

Gostaria que isso não ficasse só nessa turnê no Brasil, mas sim que pudesse romper mais barreiras e quem sabe uma tour mundial com os dois caras juntos. E não posso deixar de agradecer em primeiro lugar a Deus pela realização de mais um sonho, ao Petra Tribute pela excelente cobertura de todos os shows, ao pessoal do meu grupo no Facebook, Petra (Christian Rock) que vários eu pude encontrar por lá. Realmente foram nos shows. E com certeza um grande agradecimento ao Eliel e toda equipe da EV7 Live, pela excelência e qualidade na produção do evento. Tudo muito correto, teatros lindos e confortáveis. Que mais eventos como esse façam parte sempre do nosso calendário.”


Tom Everton

“Olá! Eu sou o Tom Everton, da cidade de Belo Horizonte! A história que vou contar aqui é “um pouquinho grande” (sic) mas vou tentar resumir! O que aconteceu foi o seguinte: quando eu era criança, por volta dos 8 a 10 anos, tinha uma rádio (gospel) que tava começando e quase sempre, por volta das 18 h, ela tocava a música Beyond Belief. Eu tinha marcado que sempre nesse horário tocava essa música, e eu era apaixonado por ela! Sempre gostei! E eu era aquela pessoa que brincava (criança ainda, ali) de radialista… gostava de gravar as músicas, num rádio Phillips, em fita cassete. Eu não sabia ainda de banda, não entendia nada ainda desse meio. Eu só amava a música Beyond Belief, que era a minha preferida de tantas outras. Naquela época tocava muito ‘Te Veo en Cielo’ (Guardian), e outras internacionais, porque eram em maior número do que as nacionais. Nesse tempo não existiam tantos artistas gospel nacionais como hoje em dia. E era assim: começava ‘o toque’ e eu  já corria pra tentar gravar a música E , finalmente, um dia, eu consegui. Então, eu fiquei maluco! E é isso, minha história com Beyond Belief, o Petra (que conheci nessa época – fui descobrir que eram eles quem cantavam).

Passaram-se mais de 10 anos (por volta dos 20, 22 anos) formei uma banda e eu sempre tive a idéia de colocar o nome da música Beyon Belief e então formamos a banda com esse nome. Fazíamos covers do Petra, do Stryper, Whitecross, Bride, e demais bandas de hard rock que a gente conhece hoje no meio cristão. Atualmente, infelizmente, ela está em hiato, mas eu estou continuando com minha carreira solo.

Com isso, eu sempre reforço que a música Beyond Belief é a música que retrata a história da minha vida, pelas circunstâncias . Quando adulto eu conheci a tradução da música, pois não sabia o significa a música quando ainda era criança, apesar de o refrão sempre ficar na minha cabeça. Então, quando o John esteve com o Petra em 2005 no Mineirinho (e eu não me recordo bem quantos anos eu tinha naquela época – acho que eram uns 15), a única coisa que consegui falar com ele foi que pedi para que ele orasse por mim. Daí, então, fui coberto de talentos, e sinto que Deus realmente, através daquela oração, que foi muito importante pra mim, tanto que depois eu formei a banda com o mesmo nome da canção.

Mas, voltando a hoje, eu tive uma nova oportunidade, com o John estando aqui em Belo Horizonte.  Logo, eu pensei em falar com ele pra ver se haveria possibilidade de eu cantar a música [Beyond Belief] com ele, porque eu tinha vontade! E então, no meio do meet & greet eu conversei com ele e ele me disse ‘We will see!’ (Vamos ver!) e fiquei um pouco apreensivo, sem saber se ele ia me chamar ou não. Um pouco nervoso, né, conforme as músicas iam sendo tocadas. E, Beyond Belief acabou sendo a última música que o John cantou, pra fechar o show com chave de ouro. E ele me chamou na hora que começou a tocar, e eu subi! Não tinha nervosismo nenhum da minha parte. Parecia até que não era eu, sabe? Eu confiei em Deus pra não desafinar, prá não cantar errado. Não quis cantar “por cima” do John, e deixei ele cantar, porque a música é dele. Tentei fazer uma participação mesmo, sabe? E, foi de grande valor pra mim. Acho que vai ser um dia inesquecível pra mim,  pra minha carreira que está se tornando solo e posso dizer que é um pontapé inicial. Foi algo inexprimível! Não tem como explicar a emoção, que foi tanta que foi um choque! Na hora foi tão natural (graças a Deus!), mas depois fiquei parando e pensando: ‘Cara, eu consegui! Uma coisa que [sonhei] quando criança!’

Que tudo que aconteceu seja pra honra e glória do Senhor! As pessoas curtiram e o importante foi isso: todo mundo gostou! A gente conversou no palco. Falei pro John que isso foi importante demais pra mim e ele me disse que nós éramos amigos (e isso foi a coisa mais marcante!) Então, acho que essa conexão, sabe, de um músico que é uma pessoa que tem pé uma referência no mundo todo, é exemplar como pessoa também, que possui uma história grande, dinossauro do rock cristão, é algo honroso!

E, pra completar, depois da apresentação do John, teve o Michael Sweet que foi excelente! No meio da música Lady, a gente cantando, como estávamos bem perto do palco, ele ouviu a minha voz e elogiou, dizendo que era muito bonita, perguntando se eu era cantor, e eu disse que sim, e que tinha cantado com o John e que eu tinha uma banda chamada Beyond Belief e ele ficou surpreso, e eu mais ainda com a conversa no meio do show.

Então, esses dois fatos vão ficar marcados pra mim: a participação com o John que não tem nem explicação, e eu nem tenho palavras pra dizer, e também esse elogio do Michael no meio do show. Eu espero que eu possa seguir os mesmos passos deles, que são pessoas humildes, voltados para um trabalho que é voltado a Deus e que o nome dEle seja glorificado! E que vidas também possam ser trabalhadas assim como eu também fui desde criança. Agradeço muito ao John essa oportunidade que tive. Demais! Agradeço ao Michael, a todos os que estiveram nos eventos nessa tour e que nós possamos estar apoiando e fazendo crescer esse gênero, que essa história possa ser passada pros filhos, pra que não morra. E, sobre os sonhos realizados,  como sempre dizem, não devemos desistir deles, porque eles nunca são demais. O sonho é uma coisa normal pra quem luta, pra quem busca. A vitória é um pequeno fato que pode ocorrer em um determinado momento. Não é só porque a gente foi derrotado uma vez, que ela não chega. Um dia ela vai chegar! É só acreditar, ter fé, colocar Deus à frente! Uma vitória é só o começo! Nascemos pra ser vencedores!”

 

0Shares

Deixe uma resposta